Artropodes – O que são, Exemplos, Características

O que são os artrópodes

As divisões taxonômicas, ou seja, a classificação das espécies se dá a partir dos seguintes segmentos:

– Reino

– Filo

– Classe

– Ordem

– Família

– Gênero

– Espécie

Nesse contexto, os artrópodes são classificados enquanto um filo. Seu nome é a união de dois termos arthros e podos, que significam articulados e pés, respectivamente.

Os artrópodes constituem o grupo animal com o maior número de espécies registradas, por esse motivo, dentro do filo dos artrópodes existem inúmeras variações de características.

Pela grande variedade de espécies, para facilitar a classificação e enquadramento de espécies dentro de grupos com as mesmas características, os artrópodes foram divididos em subfilos, uma categoria entre o filo e as classes, mas esse é um tema que será discutido mais à frente.

Características gerais dos artrópodes

Simetria bilateral = isso significa que se o corpo de um artrópode for divido em duas partes iguais, essas partes terão sua constituição idêntica, espelhando uma a outra. Essa simetria pode se dar de várias formas: sagital (direito e esquerdo); coronal (posterior e inferior) ou transversal (dorsal e ventral).

Corpo segmentado = o corpo segmentado, ou metamerizado significa que o corpo dos artrópodes é dividido em tagmas. Tagmas é o nome dado a cada segmento do corpo de um artóprode. Uma formiga, por exemplo, tem o corpo dividido em três tagmas- a cabeça, o tórax e o abdômen.

Triblásticos = a classificação de triblásticos se refere a existência de três folhetos embrionários. A palavra vem da união entre os termos gregos triplos (triplo) e blastos (aquilo que germina). Em animais triblásticos há a existência da ectoderme, da mesoderme e da epiderme.

Celomados = o celoma é uma cavidade preenchida pela mesoderme.

Protostômio = nome que vem da fusão de dois termos em grego, protos (primitivo, primeiro); stoma (boca) são os animais em que o blastóporo permanece após a conclusão do desenvolvimento embrionário, com a função de boca.

Habitat do Artropodes

Os artrópodes não possuem um habitat geral entre si, cada tipo de espécie habita ambientes diferentes, não existindo um ambiente em comum para todos.

Exoesqueleto de quitina = essa é uma característica essencial para o sucesso evolutivo do filo dos artrópodes. Esse exoesqueleto de quitina é formado por placas formadas ao longo do corpo do animal e que possuem articulações que permitem que o animal se movimente mesmo sendo a estrutura rígida. A rigidez do exoesqueleto quitinoso é um dos fatores fundamentais para a sobrevivência dos artrópodes, uma vez que seu corpo é muito mole e sensível, estando exposto aos predadores e demais fatores que poderiam ser nocivos.

Apêndices articulados = os apêndices são estruturas que saem diretamente dos tagmas dos artrópodes. Esses apêndices articulados permitem uma melhor adaptação dos artrópodes ao ambiente em que vivem. São exemplos de apêndices articulados as patas, antenas, nadadeiras, mandíbulas, asas, dentre outros.

Crescimento acompanhado por mudas = como os exoesqueletos de quitina são rígidos e não acompanham o crescimento do animal, de tempos em tempos os artrópodes realizam a troca dos exoesqueletos.

O seu crescimento se dá majoritariamente nos períodos em que o animal saiu de seu exoesqueleto e fica sem sua proteção. Durante esse período, o animal cresce de forma rápida enquanto as placas de quitina vão sendo novamente formadas sobre seu corpo. Durante o período de muda, os artrópodes se veem mais vulneráveis aos ataques de predadores.

 

  • Subfilos dos artrópodes

Como já foi dito, os artrópodes compreendem o filo com a maior quantidade de espécies conhecidas. Nesse contexto, para facilitar o estudo dessa grande quantidade de espécies, o filo dos artrópodes foi dividido em três subfilos, que abrigam as várias classes de animais compreendidas como artrópodes.

Esses subfilos são:

Trilobitomorpha: Esse subfilo não possui representantes na natureza atual, tendo sido comum em mares de épocas geológicas.

Cheliceriformes: São o subfilo dos artrópodes que possuem quelíceras e abrange as classes Merostomata e Arachnida (os aracnídeos).

Crustacea: Esse subfilo abrange várias classes. Seus representantes mais conhecidos são lagostas, siris, camarões, dentre outros.

Hexapoda: Subfilo que abrange as classes Entognata e Inecta. Os entognatas eram classificados como insetos, mas ganharam uma classe especial por algumas divergências pequenas. Para estudo em nível médio, apenas a classe Insecta, a dos insetos, é relevante.

– Myruapoda: Esse subfilo possui quatro classes, mas apenas duas são realmente relevantes para o estudo em nível médio, as casses Diplopoda e Chilopoda.

 

  • Principais divisões dos artrópodes e suas características:

Arachnida: São os aracnídeos. Suas características básicas são:

-Presença de quelíceras;

– Ausência de mandíbulas;

– A divisão do corpo se dá em prossomo e opistossomo;

– Quatro pares de pernas provenientes do prossomo;

– Ausência de antenas

 

Crustacea:

Ausência de quelíceras;

– Presença de mandíbulas;

– O corpo é dividido em cabeça, tórax e abdômen ou cefalórax e abdômen;

– O número de patas varia de classe para classe;

Possui dois pares de antenas;

 

Insecta:

Ausência de quelíceras;

– Presença de mandíbulas;

– O corpo é dividido em cabeça, tórax e abdômen ;

– Possui três pares de patas no tórax;

– Possui um par de antenas;

 

Diplopoda:

– Ausência de quelíceras;

– Presença de Mandíbulas;

– O corpo é dividido em cabeça e tronco multissegmentado;

– Possui dois pares de patas por segmento do corpo;

– Possui um par de antenas;

 

Chilopoda:

– Ausência de quelíceras;

– Presença de mandíbulas;

– O corpo é dividido em cabeça e tronco multissegmentado;

– Possui um par de pernas por segmento do tronco;

– Possui um par de antenas;

 

  • Outras características específicas

– Os animais das Classes Insecta, Chilopoda e Diplopoda tem como sistema digestivo um tubo digestivo completo; um sistema circulatório aberto e sem pigmento; um sistema respiratório traqueal ; um sistema excretor baseado em túbulos de Malpighi; um sistema nervoso classificado como ganglionar ventral.

– Os insetos são dioicos, com reprodução geralmente sexuada, com fecundação interna e são ovíparos. Existem três formas de desenvolvimento dos insetos.

Os ametábolos possuem um desenvolvimento direto, sem a presença de um processo de metamorfose. Um exemplo é a traça.

Alguns insetos possuem o desenvolvimentos com metamorfose gradual, ou incompleta, que são os animais que durante o desenvolvimento existe uma fase chamada ninfa, que é a primeira versão do inseto, assim que sai do ovo, essa ninfa origina o adulto. Exemplos são a barata, o percevejo e o gafanhoto.

Os holometábolos são insetos com o chamado desenvolvimento indireto, ou com metamorfose completa. Nesses casos, do ovo nasce uma larva, essa larva entra em processo chamado de pupa, no qual pode ocorrer a presença de um casulo protetor. Dentro desse casulo cresce e se forma o inseto em sua fase adulta. Daí em diante ele não cresce mais. São exemplos de holometábolos as borboletas, mariposas, besouros e moscas.

– Os aracnídeos possuem um sistema digestivo com tubo digestivo completo; um sistema circulatório aberto com sangue pigmentado (pigmento se chama hemocianina); o sistema respiratório é classificado como filotraqueal (pulmão foliáceo); o sistema excretor apresenta túbulos de Malpighi e glândulas coxais; o sistema nervoso é classificado como ganglionar ventral.

– Os crustáceos possuem um sistema digestivo com tubo digestivo completo; o sistema circulatório aberto com sangue pigmentado (pigmento se chama hemocianina); o sistema respiratório é classificado como branquial; o sistema excretor é classificado como antenal, a partir das glândulas verdes; o sistema nervoso é classificado como ganglionar ventral.