hipermetropia

Hipermetropia: o que é Leave a comment

A hipermetropia é um defeito ocular que causa falta de nitidez ou visão borrada de objetos próximos, como resultado de focalizar as imagens atrás da retina e não diretamente sobre ela. Por esse motivo, uma pessoa com hipermetropia pode ter problemas para assistir à televisão, mas não para distinguir um sinal de trânsito. Se a graduação for muito alta, objetos distantes também podem ficar borrados.

Quando nascemos, somos todos hipermetrópicos e, à medida que o nosso corpo se desenvolve, os olhos também se desenvolvem. Se o crescimento do olho, portanto, for menor que o necessário, esse olho sempre será hipermetrópico, a menos que seja corrigido mais tarde, após avaliação prévia do oftalmologista.

A hipermetropia pode aparecer sozinha ou combinada com astigmatismo (astigmatismo hipermetrópico).

Causas da hipermetropia

Isso ocorre porque o olho é mais curto que o normal ou porque a córnea é muito plana.

No paciente hipermetrópico, os objetos são focalizados atrás da retina e não nela, diferentemente do que acontece em um paciente emetrópico (sem graduação).

Nos jovens, quer a hipermetropia não é muito grande, pode ser compensado com os músculos do olho e obter um bom olhar de longe e aceitavelmente próxima, mas com a idade essa capacidade é perdida e objetos próximos são borradas e mais tarde também os de longe.

Este tipo de anomalia, embora não estritamente aumenta com a idade, pode ser aumentada gradualmente (a hipermetropia pode ver normalmente até 35-40 anos a partir desta idade suas problema aumenta), mas o número sobe para 60 % aos 70 anos de idade.

Sintomas da hipermetropia

A hipermetropia é o oposto da miopia. Um paciente com hipermetropia piora de perto do que de longe. Quanto mais diópteros, mais desfocado você verá objetos próximos. Os sintomas mais comuns que os pacientes com hipermetropia podem sofrer são:

– Visão turva.

– Fadiga ocular  ou astenopatía: geralmente ocorre em pessoas com hipermetropia fazendo há muito tempo atividades, tais como o computador, o que requer visão de perto, geralmente com má iluminação e / ou esgotamento físico ou mental produzindo assim distúrbios visuais.

– Dor de cabeça: de preferência na região frontal no final do dia após o esforço excessivo de acomodação do olho para se concentrar. A alta intensidade da dor de cabeça pode causar náuseas e vômitos.

– Estrabismo convergente (quando o olho se desvia em direção ao centro) pode aparecer ocasionalmente ligado a pessoas com hipermetropia. Como resultado de quando o objeto chega embaçado ao nosso cérebro, nosso sistema nervoso involuntariamente procura acomodar os olhos para focalizar adequadamente. Essa ordem de acomodação está associada a um reflexo de convergência, isto é, um desvio dos olhos em direção ao nariz, algo normal. Quando a convergência é excessiva, aparece estrabismo convergente. Se conseguirmos fazê-lo desaparecer com o uso de óculos e a pessoa tiver hismetropia, falaremos sobre o estrabismo acomodativo.

– Vermelhidão dos olhos no final do dia.

– Também pode haver casos de hipermetropia não corrigida que podem causar blefaroconjuntivite (que é a associação de conjuntivite e blefarite ou inflamação das pálpebras), mas isso não é comum.

O que é hipermetropia na infância?

A hipermetropia infantil geralmente aparece após os 4 anos, quando a graduação não é muito alta. No entanto, é difícil detectar um olho hipermetrópico, uma vez que a criança geralmente compensa sua pobre visão ajustando-se com a lente (ou lente natural do olho) para se concentrar nos objetos.

Portanto, é especialmente importante que as crianças façam check-ups periódicos desde cedo, quando podem colaborar com o oftalmologista para a detecção precoce de qualquer erro refrativo na infância.

Sintomas: Como detectar hipermetropia infantil?

No caso de um recém-nascido, é um defeito muito frequente que tende a se corrigir com a passagem dos primeiros meses de vida desde o nascimento, o sistema visual não está totalmente desenvolvido.

No entanto, se não for corrigido, hipermetropia do olho em crianças deve ser detectado o mais rapidamente quanto possível, porque caso contrário, você pode produzir o que é conhecido como   olho preguiçoso (baixa visão em um ou ambos os olhos por falta de uso durante o desenvolvimento de seu sistema visual, escolhendo, portanto, a visão do olho com o melhor defeito refrativo) ou estrabismo infantil , especialmente se o estrabismo for convergente (o olho se desvia para dentro). Pode ser corrigido total ou parcialmente.  

Professores e pais têm um papel fundamental na detecção desse defeito refrativo, uma vez que pode se manifestar nesses casos:

– Quando a criança tem dificuldade em ler ou escrever.

– Baixo desempenho escolar ou notas ruins, bem como dificuldade de concentração.

– Fadiga visual

– Vermelhidão, lacrimejamento ou ardência nos olhos que faz com que a criança esfregue os olhos, pisque excessivamente ou enrugue a testa.

Tratamento para hipermetropia em crianças

Se a hipermetropia não desaparecer durante a adolescência, o oftalmologista avaliará o tratamento como correção óptica através do uso de óculos. Principalmente se a hipermetropia é alta e causa sintomas. Além disso, dependendo oftalmologista idade da criança vai avaliar correta sua hipermetropia usando lentes de contato se você tiver problemas para a prática de qualquer atividade, esporte ou em casos de anisometropia, ou seja, com uma importante diferença graduação em ambos os olhos.

Classificação de hipermetropia

Hipermetropia de curvatura

É o raio da primeira face da lente que é diminuída em relação ao olho emetrópico.

Hipermetropia axial

Quando o eixo óptico é encurtado.

Quando o índice de refração de alguns dos meios translúcidos do globo ocular aumenta.

Hipermetropia latente

É compensado com o tom do músculo ciliar.

Hipermetropia manifesto

Não é compensado pelo tom do músculo ciliar e é classificado nos três tipos seguintes:

Hipermetropia opcional : seja compensado por um esforço acomodativo.

Hipermetropia absoluta : nem o tônus ​​do músculo ciliar nem o esforço acomodativo são compensados.

Hipermetropia total : é a soma da hipermetropia facultativa e a absoluta e, portanto, a mais importante.

Tipos de hipermetropia

Hipermetropia simples

É o mais comum. Geralmente é uma continuação da hipermetropia infantil que se tornou crônica, isto é, um olho que não cresceu suficientemente (o eixo antero-posterior do globo ocular está diminuído).

Hipermetropia composta

É devido a um encurtamento do vítreo e a um achatamento da córnea.

Hipermetropia mista

Quando a córnea é plana e o vítreo é mais longo, ou a córnea é mais curva e o vítreo mais curto.

Tratamentos de hipermetropia

A hipermetropia pode ser corrigida com óculos e / ou lentes de contato, bem como com cirurgia refrativa. Embora seja verdade que para hiperopias médio-altas, adaptar-se à sua graduação pode ser difícil, uma vez que há uma diminuição em seu campo visual (geralmente de cerca de 6 dioptrias).

Por outro lado, a correção definitiva, uma vez estabilizada a graduação, pode ser feita através de uma cirurgia ocular. Mas primeiro, o oftalmologista realizará um exame oftalmológico completo para avaliar a condição do olho e a espessura da córnea, a fim de avaliar a técnica mais apropriada e adequada para o paciente.

Testes de hipermetropia

A primeira consulta não é exclusivamente informativa, mas uma visita onde o paciente vai para casa sabendo se ele pode corrigir e por qual técnica sua hipermetropia, através dos seguintes exames pré-operatórios:

Medição da tensão ocular.

Acuidade visual e graduação visual.

Diagnóstico e estudo do segmento anterior e posterior do olho.

Estudo detalhado do olho: biometria a laser, topografia corneana, aberrometria e paquimetria corneana.

Uma vez obtidos os resultados, os tratamentos cirúrgicos usuais são:

Cirurgia refrativa a laser (ou Lasik) realizada com laser de femtosegundo : esta técnica é a mais utilizada por sua comprovada segurança e eficácia. Consiste na modificação da morfologia da córnea por meio de um laser para alterar a refração total do olho.

Implantação de lentes intra-oculares (fácicas): é avaliada em casos selecionados (sem remover a lente). É uma cirurgia ambulatorial, indolor, com anestesia local e muito segura. Corrigir problemas de hipermetropia em intervalos de + 0.5D a + 10.0D, com ou sem astigmatismo até 6.0D.

Além da hipermetropia, posso ter algum outro defeito visual no olho?

As únicas combinações possíveis são hipermetropia e astigmatismo, ou hipermetropia e presbiopia, ou visão cansada. Mas você nunca pode ter miopia e hipermetropia no mesmo olho.

Como a hipermetropia é corrigida?

A hipermetropia é corrigida através do uso de óculos e / ou lentes compensadoras, bem como com cirurgia refrativa para sua correção definitiva.

Qual é o limite das dioptrias de hipermetropia para operar?

Felizmente, graças às novas tecnologias de laser, um paciente hipermetrópico pode ser operado até 6 dioptrias. No entanto, será o oftalmologista que, com os exames pré-operatórios, decide se o paciente é adequado ou não, ou qual a melhor técnica para sua correção.

A hipermetropia é herdada?

Sim. Pacientes com pais com a condição correm mais risco de hipermetropia do que aqueles que não o fazem.

A hipermetropia pode ser prevenida?

Não. É por isso que os exames oftalmológicos periódicos são muito importantes, especialmente na infância.  Além disso, é aconselhável que os pacientes com hipermetropia façam um check-up anual, pois podem estar associados a outras doenças, como o glaucoma.

Quando a hipermetropia deve ser corrigida em crianças?

A maioria das crianças é hipermetrópica ao nascimento, mas essa anomalia é corrigida à medida que crescem e o olho se desenvolve até desaparecer na adolescência. Se não desaparecer, e naquelas crianças com alto risco de hipermetropia, é necessário realizar exames visuais para crianças entre 4 e 8 anos de idade. O defeito refrativo pode ser compensado com o uso de óculos e, posteriormente, quando houver colaboração da criança com lentes de contato. Quando a graduação é estável, será possível recorrer a uma cirurgia refrativa.

Com que idade a hipermetropia pode ser operada?

Raramente é indicado antes de 18 a 20 anos, desde o primeiro momento em que a graduação deve ter se estabilizado. Quando não mais crescer a dioptria, é comum que o paciente para ver o seu oftalmologista que através de um exame oftalmológico completo realizar uma avaliação precisa do estado do olho e espessura da córnea para saber a melhor forma de empregar a técnica.

A hipermetropia pode desaparecer?

A maioria das crianças ao nascer são hipermetrópicas, uma situação que é corrigida à medida que o nosso sistema visual se desenvolve. É normal que ele tenha desaparecido antes da adolescência por volta dos cinco anos de idade. Se não desaparecer, a hipermetropia persistirá para sempre, a menos que o tratamento cirúrgico seja aplicado para correção.

A hipermetropia é uma deficiência?

A hipermetropia, como tal, não é uma deficiência. Com a correção óptica adequada, os pacientes veem normalmente.

A hipermetropia pode causar cegueira?

Hipermetropia sozinho não causar cegueira, o que acontece é que há casos extremos de hipermetropia secundária que pode levar a doenças oculares como nanophthalmos ou casos anterior câmaras de olho muito estreita que podem causar ataques de glaucoma agudo, e, portanto, causar perda significativa de visão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *