incontinência urinária

Incontinência urinária Leave a comment

Incontinência urinária – Qualidade de vida é um conceito bastante usado por vários profissionais, principalmente os da área da saúde, seja ela física ou mental. Basicamente, este termo significa o quanto uma pessoa se sente bem com sua vida, qual a sua condição física e psicológica, se os momentos de bem-estar superam os momentos ruins, dentre outros fatores.

A fim de obtermos uma qualidade de vida minimamente aceitável, um dos pontos mais importantes a serem observados é a nossa saúde, isto é, pleno funcionamento nas funções do nosso organismo. Contudo, nem sempre isso é fácil, e passamos, constantemente, por problemas que reduzem consideravelmente nossa qualidade de vida. Como exemplo desses problemas temos a incontinência urinária, condição que atinge milhões de indivíduos em todo o mundo.

O que é incontinência urinária?

Podendo ser originada através de uma série de motivos, a incontinência urinária é, basicamente, uma condição onde o indivíduo sofre de uma perda involuntária de urina, que pode ir desde pequenas quantidades devido a um esforço excessivo, como tossir ou espirrar, ou da total perda de capacidade do controle de micção.

A incontinência urinária pode se caracterizar como uma condição bastante incômoda, tendo em vista que o paciente em questão pode passar por constantes momentos de constrangimento social. Podendo ir desde uma situação crônica até momentos passageiros derivados de uma alimentação não muito equilibrada, a incontinência urinária, segundo a Sociedade Brasileira e Urologia, atinge mais de 10 milhões de brasileiros, onde mais da metade são representados por mulheres.

Ainda segundo a associação, a incontinência é consideravelmente mais comum em indivíduos do sexo feminino, além de atingir com mais incidência pessoas 60 anos de idade ou mais, apesar de não ter uma faixa etária definida.

Tipos de Incontinência urinária

A incontinência urinária pode ser classificada em diferentes tipos, os quais decorrem de diferentes situações e tem distintos efeitos nos corpos e organismos dos indivíduos. Os tipos mais comuns de incontinência urinária são:

Incontinência urinária de esforço:

Esse tipo de condição se caracteriza pela fraqueza muscular do indivíduo na região pélvica. Desse modo, ao colocar a bexiga em situações de esforço ou estresse, como acontece em espirros, tosses, práticas de atividades físicas, gargalhadas intensas ou até uma posição desconfortável, o indivíduo pode perder pequenas quantidades de urina.

Ocorre, geralmente, em pessoas de mais idade, as quais o organismo funciona de maneira mais lenta e, consequentemente, os órgãos se apresentam mais fracos, apesar de também ser possível em qualquer faixa etária, principalmente em pessoa que já sofreram lesão na região pélvica.

Incontinência urinária por transbordamento:

Esse tipo de incontinência urinária é mais comum em pessoas que exigem muito do seu corpo e, por isso, alegam não ter tempo para suas necessidades fisiológicas. Dessa forma, com a bexiga cheia, são causados gotejamentos de urina. Além disso, pode ser originado a partir do não esvaziamento total da bexiga, causando gotejamentos.

Incontinência urinária de urgência:

Essa condição consiste em vários episódios ao longo do dia em que o individuo sente uma vontade tão urgente de urinar que não consegue chegar ao banheiro. A incontinência urinária de urgência pode ocorrer mesmo em momentos com baixos níveis de urina na bexiga, sendo geralmente causada pela síndrome da bexiga hiperativa.

Incontinência urinária funcional:

Ocorre quando o paciente, por algum motivo, está impossibilitado de ir ao banheiro (por doença ou complicação). Dessa forma, a bexiga se pressiona demais, causando a incontinência urinária.

Incontinência urinária total:

Usualmente ocorrida em pessoas de mais idade, mas podendo ser observada em pessoas de todas as idades, a incontinência urinária total consiste na condição em que o indivíduo perde o total controle de sua bexiga, e qualquer nível de urina em seu organismo sai sem que este possa controlar. Pode ser causado por uma série de situações, as quais geralmente são doenças mais graves e que devem ser diagnosticadas por profissionais da área da saúde.

Incontinência urinária mista:

Em casos de vários dos sintomas descritos acima ao mesmo tempo, os médicos chamam a condição de incontinência urinária mista.

Principais causas da incontinência urinária

Como toda doença ou situação de mau funcionamento do nosso organismo, a incontinência urinária pode causada por uma série de fatores, os quais, em alguns casos, podem ser evitados pelos indivíduos.

As principais causas de incontinência urinária são:

  • O consumo e ingestão contínua de alguns alimentos e bebidas que são considerados diuréticos, ou seja, estimulam a eliminação de líquidos no corpo. Os principais elementos do dia a dia conhecidos por terem essas características são: Bebidas alcoólicas, cafeína, adoçantes industrializados, refrigerantes, medicamentos para tratar doenças cardíacas e alta pressão arterial, alimentos e bebidas cítricas. Além disso, a ingestão exagerada de alimentos ricos em açúcar e doses elevadas de vitaminas do complexo B e C podem auxiliar nesse quesito;
  • Os episódios de incontinência urinária também podem ser causados por condições físicas e mentais facilmente diagnosticas e tratáveis, como a infecção do trato urinário (comumente chamado de infecção urinária), a prisão de ventre (também chamado de constipação) e a ansiedade, principalmente causada pelo estresse do dia a dia;
  • A situação de incontinência da urina também pode ser uma condição mais crônica e persistente, geralmente motivadas por doenças ou problemas físicos comuns. Nesse quesito, as principais causas da incontinência urinária é: o parto, a gravidez, a menopausa, andropausa, o envelhecimento em si, o aumento da próstata (geralmente motivado pelo câncer de próstata), a obstrução do trato urinário, além de algumas doenças mentais, como mal de Parkinson, esclerosa múltipla, AVCs, tumores cerebrais ou lesões na coluna vertebral;

Alem disso, é importante frisar que a incontinência urinária é duas vezes mais comum em pessoas do sexo feminino do que indivíduos do sexo masculino. Enquanto, para os homens, a probabilidade de, em algum momento da vida, sofrer da condição é de 15%, para as mulheres esse número sobe para 30%.

Além disso, algumas condições físicas e de saúde podem aumentar as chances de sofrer com a condição, como a obesidade, os maus hábitos alimentares e outros quadros de saúde, como a diabetes. 

Tratamentos para incontinência urinária

A fim de acabar com os sintomas de incontinência urinaria, vários especialistas da área desenvolveram técnicas, métodos, remédios e procedimentos que tratem essa condição médica. De toda forma, é sempre importante frisar que qualquer tratamento deve ser feito a partir do acompanhamento com algum profissional da área da saúde. Neste caso, os mais indicados para a consulta são os urologistas, ginecologistas e geriatras (em caso de pessoas com mais idade). Para uma primeira visita, pode-se consultar um clínico geral.

Tratamentos com exercícios:

Alguns indivíduos não gostam de fazer uso de remédios e não tem uma condição grave o bastante para a realização de uma cirurgia. Dessa forma, este grupo de pessoas pode praticar alguns exercícios que fortifiquem os músculos pélvicos e evitem a incontinência urinária. Podem ser dados alguns exemplos dessas atividades, como:

  • Exercícios de Kegel: Estes exercícios consistem na realização de contrações seriadas dos músculos pélvicos. Para se identificar quais são estes músculos, o indivíduo, quando estiver urinando, pode tentar parar o jato ou mesmo diminuir sua intensidade. Caso tenha sucesso, aquele é o movimento que precisa fazer em suas sessões. Uma vez o dia, logo depois de esvaziar sua bexiga, a pessoa deve deitar de barriga para cima, fazendo 10 sessões de contrações dos músculos, com 10 repetições em cada, totalizando 100.
  • Exercícios hipopressivos: A fim de realizar essas atividades, o indivíduo deverá sentar no chão com as pernas cruzadas (comumente chamados de “pernas de índio). Depois de feito, deve-se sugar a barriga por 10 segundos, mantendo constante o ritmo da respiração.
  • Eletroestimulação: Esta é uma medida feita por alguns profissionais da área, a qual consiste em pequenos estímulos elétricos (totalmente suportáveis) nas regiões dos músculos pélvicos;
  • Manter uma boa postura: Uma grande causa da incontinência urinária pode ser o modo de se sentar. Isso ocorre pelo fato de que, ao sentarmos com a coluna curvada para frente, estaremos pressionando a bexiga e os músculos da pélvis, fazendo-os desempenhar grandes esforços, resultando em um enfraquecimento. Desse modo, sentar-se com boa postura também pode contribuir para a eliminação da incontinência urinária;

Cirurgias para incontinência urinária:

Alguns pacientes possuem sintomas mais graves relacionados à incontinência urinária. Dessa forma, diante da ineficiência de exercícios físicos e de remédios, estes indivíduos se submetem a cirurgias capazes de sanar o problema.

Para as mulheres, a cirurgia consiste na colocação de uma fita cirúrgica chamada TVT na uretra da paciente, fazendo com que a capacidade de segurar a urina aumente. Já em homens, a cirurgia é feita, na maioria das vezes, com a injeção de substâncias na região do esfíncter, ou mesmo com a colocação de um esfíncter artificial. Contudo, em alguns casos, a TVT também pode ser colocada em indivíduos do sexo masculino.

Remédios para incontinência urinária:

A fim de combater a incontinência urinária, a indústria farmacêutica desenvolveu alguns tipos de remédios capazes de minimizar ou erradicar os sintomas dessa condição. Contudo, estes são separados em dois grupos:

  • Para incontinência urinária de esforço: Nesses casos, os quais geralmente são menos graves, podem ser usados alguns medicamentos: estrogênio (para mulheres, principalmente em forma de estradiol em pomada, adesivo ou anel vaginal), Imipramina (antidepressivo capaz de diminuir as contrações da bexiga, aumentando a resistência do trato urinário), Duloxetina (antidepressivo com efeitos parecidos da Imipramina);
  • Para incontinência urinária de urgência: Geralmente ocorrida em casos mais graves, e mais recorrentes em pessoas com mais idade, a incontinência urinária de urgência pode ser tratada com alguns medicamentos, tais como: Oxibutinina, Cloridatro de Trospium, Darifenacim, Imipramina, Solifenacim;

É importante ater-se ao fato de que todos esses medicamentos devem ser utilizados com o acompanhamento e prescrição médica. As doses e os modos de utilização devem ser recomendados pelo profissional em questão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *