liraglutida

Liraglutida – Entenda como ele age no emagrecimento Leave a comment

Existem alguns tipos de medicamente e produtos que, basicamente, tem uma função principal, mas podem acabar servindo para outras finalidades de forma secundária. A Liraglutida, conhecida também como Victoza, é um exemplo.

A Liraglutida trata-se de um medicamente injetável, conhecido por ser um antidiabético. Ajudando a controlar os níveis de glicose no sangue, é usado bastante no tratamento da diabetes mellitus tipo 2, aquela que é comum em pessoas acima dos 40 anos e em obesos. Por essa relação com obeses, a liraglutida também é indicada para controle de peso. Em que caso? Bom, geralmente adultos com índice de massa corporal (IMC) superior a 30 (obesidade grau I), ou IMC acima de 25, que seria o sobrepeso.

Como o Liraglutida funciona?

Liraglutida funciona estimulando a produção natural de insulina no pâncreas. Junto com uma dieta saudável e rotina de exercícios, a droga efetivamente reduz o açúcar no sangue. O Liraglutida pode ser utilizado em combinação com medicamentos orais para diabetes, tais como Actos, Avandia, Amaryl (glimepirida) e metformina, mas pode influenciar a absorção destes fármacos, uma vez que atrasa o esvaziamento gástrico.

Liraglutida não é um produto de insulina. É 97 por cento semelhante a um hormônio do corpo chamado GLP-1 (peptídeo semelhante ao glucagon-1). Este hormônio afeta o fígado, o pâncreas e o intestino e ajuda a controlar a glicose, a insulina e o esvaziamento gástrico.

Quando uma pessoa come, o intestino delgado libera esse hormônio, que ajuda o pâncreas a liberar a quantidade adequada de insulina para ajudar a regular o açúcar no sangue. Mais especificamente, o GLP-1 ativa as células pancreáticas chamadas células beta que produzem insulina. Ao imitar o GLP-1, Liraglutida sinaliza o pâncreas para criar mais insulina.

Insulina e açúcar no sangue

A insulina é um hormônio produzido no pâncreas e liberado no sangue. Ela desempenha um papel significativo no metabolismo, ou na maneira como o corpo usa alimentos como energia. Depois que os carboidratos, como açúcares e amidos encontrados em muitos alimentos que ingerimos, são decompostos pelo trato digestivo em glicose (uma forma de açúcar), ele entra na corrente sanguínea, onde a insulina ajuda as células do corpo a absorver a energia.

Quando a quantidade de glicose no sangue de uma pessoa aumenta após uma refeição, o pâncreas libera insulina no sangue para ajudar as células musculares, gordurosas e hepáticas a absorver a glicose, diminuindo assim os níveis de glicose no sangue no corpo. O excesso de glicose é então armazenado pelo fígado e tecido muscular, onde se torna glicogênio. A insulina também reduz os níveis de glicose no sangue, reduzindo a produção de glicose no fígado.

Quando ocorre resistência à insulina, as células do corpo não respondem adequadamente ao hormônio e não conseguem absorver facilmente a glicose da corrente sanguínea. Isso resulta no corpo necessitando de níveis mais altos de insulina para ajudar a entrada de glicose nas células. Quando células especiais no pâncreas chamadas células beta não conseguem acompanhar o aumento da demanda por insulina, o excesso de glicose se acumula na corrente sanguínea levando ao desenvolvimento de diabetes tipo 2.

Medicamentos que trabalham para estimular a produção da tão necessária insulina podem ajudar pacientes com diabetes tipo 2 a processarem melhor o açúcar no sangue e prevenir complicações a longo prazo da doença.

Liraglutida como tomar?

Os pacientes tomam Liraglutida uma vez ao dia, inserindo a caneta de prescrição na coxa, no braço ou no estômago. Os médicos instruem os pacientes sobre como usar a caneta Liraglutida. As canetas pré-carregadas de 6 mg / ml podem durar até 30 dias ou mais, dependendo da dose diária (0,6 mg, 1,2 mg ou 1,8 mg). Se os pacientes estiverem tomando Liraglutida com insulina, eles devem injetar cada droga separadamente e nunca misturar as duas soluções.

Liraglutida – Entenda como ele age no emagrecimento

Posteriormente, ao falarmos da efetividade da liraglutida, vamos dizer como esse medicamento tem como efeito secundário a possibilidade de emagrecimento, mas agora já é hora de adiantar os principais fatores para que esse produto seja visto dessa forma.

Liraglutida pode influenciar em seu emagrecimento na medida que ele consegue diminuir sua motilidade gástrica. Traduzindo, esse medicamento irá promover uma sensação de saciedade maior e com uma necessidade de menos alimentos ser ingerido. Para isso, existe a ação direta no hipotálamo, em centros que controlam seus mecanismos responsáveis pela saciedade e pela fome.  

Embora a perda de peso não seja o objetivo principal das pessoas que tomam liraglutida, pode ser um benefício para o controle do açúcar no sangue. Os pacientes perderam uma média de 2,49kg com uma dose de 1,8 mg; para pacientes que tomam uma dose de 1,2 mg, a perda de peso média foi 2kg.

Como liraglutida é efetivo?

Durante um ensaio clínico de 52 semanas, 6.090 pacientes que receberam liraglutida uma vez ao dia como tratamento autônomo tiveram uma redução de 1,1% na A1C (que mede a concentração média de glicose ao longo de um período de dois a três meses) ao tomar 1,8 mg da droga; os pacientes que tomaram 1,2 mg tiveram uma redução média de 0,8%. Para as pessoas com diabetes tipo 2, um nível de A1C de 7% ou menos é ideal, embora alguns médicos possam permitir um nível de 8%. Mesmo uma queda de 1% pode fazer a diferença para as pessoas que tentam controlar o açúcar no sangue.

Liraglutida também ajudou a reduzir a glicemia de jejum em pessoas com diabetes tipo 2. Uma glicemia normal em jejum (nível de açúcar no sangue em jejum) está entre 70 mg e 100 mg. Em pessoas com diabetes tipo 2, esses níveis são muito maiores. Controlar a glicose no sangue pode ajudar a prevenir complicações do diabetes, como doenças cardiovasculares. Outro estudo de 52 semanas descobriu que os pacientes experimentaram cerca de 20% de redução no FPG (glicemia de jejum) ao tomar 1,8 mg de liraglutida diariamente, enquanto os níveis de glicose no sangue em pacientes que tomaram 1,2 mg caíram cerca de 16%. Os níveis da FPG começaram a diminuir em duas semanas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *