Prolina – o que é

Prolina – o que é Leave a comment

Prolina – o que é

O nosso corpo apresenta uma variedade muito extensa de nutrientes e substâncias que são responsáveis pelos mais diferentes possíveis tipos de processos que acontecem em nosso organismo. Muitos deles nós já conhecemos, por estarem presentes em mais abundância em alimentos e, por esse motivo, acabarem sendo fortemente influentes em nossa dieta, mas alguns outros que também são profundamente importantes acabam passando despercebidos.

Uma das substâncias que se encaixam nessa definição descrita acima são os aminoácidos. Os aminoácidos, que podem ser divididos em duas categorias que discutiremos um pouco mais logo abaixo, são substâncias orgânicas que, em sua composição, apresentam dois grupos funcionais distintos, sendo carboxila e um amino. De modo geral, podemos dizer que existem 20 aminoácidos em nosso organismo. São eles: alanina, arginina, aspartato, asparagina, cisteína, fenilalanina, glicina, glutamato, glutamina, histidina, isoleucina, leucina, lisina, metionina, prolina, serina, tirosina, treonina, triptofano e valina. Entre esses aminoácidos, alguns são produzidos por nosso próprio corpo, enquanto outros precisam ser ingeridos externamente.

É justamente isso que divide os aminoácidos em duas categorias, como dizemos acima. Existem os aminoácidos essenciais e os não essenciais. Os aminoácidos essenciais são aqueles que precisam ser ingeridos diariamente em nossa alimentação, enquanto os aminoácidos não essenciais são sintetizados pelo nosso próprio organismo de diferentes maneiras. Agora que você já tem uma noção básica do que são os aminoácidos, vamos falar um pouco mais concentrados em apenas um, que acabou ganhando fama também no mundo dos suplementos: a prolina.

Prolina – o que é

Antes de falar especificamente da prolina, é importante esclarecer ainda mais o que foi dito acima sobre os suplementos. Quando pensamos nesse segmento, a primeira coisa que nos vem a cabeça são os suplementos que visam aumento de força e maior produção de energia para atividades físicas intensas, mas a realidade é que essa indústria se modernizou e hoje atende às mais variadas necessidades que o público pode apresentar. Os aminoácidos, responsáveis por diferentes processos que acontecem diariamente em nosso organismo, acabaram se encaixando nessa ideia de suplementação por diferentes motivos e hoje também apresentam popularidade e reputação.

Bom, hora de falar da prolina. Também conhecida como L-prolina, algo mais específico ainda de aminoácidos, a prolina é uma substância não essencial, pois pode ser produzida pelo nosso próprio corpo. Como? O glutamato, outro aminoácido, é quebrado e a consequência disso é a produção da prolina. Com isso, acontece uma quebra de proteína em aminoácidos ou também blocos de construção.  Desse modo, podemos dizer que consumindo uma quantidade coerente de proteína em nossa alimentação, por consequência teremos também as quantidades certas dos aminoácidos que são necessários para a produção de prolina.

Prolina: para que serve

A prolina é um composto que, basicamente, tem algumas importâncias peculiares para o nosso corpo. A prolina pode ser considerada responsável pela reparação de tecidos, além de prevenir arteriosclerose, atuar na manutenção da pressão arterial e também na formação de colágeno. Abaixo, vamos discutir um pouco mais detalhadamente cada um desses tópicos.

Formação de colágeno

Para começar, você sabe o que é colágeno? O colágeno é nada menos que um tecido flexível e suave que cobrem e mantém os ossos dos nossos corpos juntos como uma espécie de cola. Trata-se, basicamente, da principal proteína estrutural que pode ser encontrada em nosso corpo, agindo com a finalidade de amortecer e reduzir atritos. Outras de suas funções são ajudar na cura das cartilagens e as articulações das almofadas.

A prolina, nesse cenário, ajuda o corpo na quebra de proteínas para que ela possa ser utilizada em nossas células saudáveis. Juntamente com a lisina, outro aminoácido bem relevante, a prolina realiza a precursão de substâncias como hidroxiprolina e hidroxilisina. Essas substâncias, principalmente a primeira mencionada, são usadas pelo corpo na produção de colágeno, ligamentos, tendões e até músculos cardíacos. Esse colágeno tão dito por aqui e importante, apresenta em sua composição cerca de 15% de prolina.

Por esses motivos, ainda podemos dizer como a prolina se adequa e é benéfico no tratamento de algumas condições relacionadas a esses aspectos, como a osteoartrite, dores lombares crônicas e entorse de tecidos.

Prevenção da arteriosclerose

Além de ser importante no tratamento das condições citadas assim, a prolina se destaca ainda mais quando o assunto é outro tópico desse tipo. Esse aminoácido pode desempenhar um papel importante combatendo a arteriosclerose, além do endurecimento de artérias. A arteriosclerose é conhecida como uma das causas mais relevantes de doenças cardíacas, por ocorrer quando vasos sanguíneos e artérias tornam-se espessos e rígidos por um acúmulo de gordura na parede dessas artérias. Os vasos e artérias transportam oxigênio e nutrientes do coração ao resto do corpo, o que ajuda a medir a importância desse deslocamento.

O que acontece é que, com arteriosclerose, acaba sendo evitado que a artéria seja expandida e contraída com os batimentos do coração, restringindo todo o fluxo sanguíneo para os órgãos e tecidos. Com a prolina, as paredes liberam acúmulo de gordura na corrente sanguínea, o que acaba por diminuir o tamanho desses bloqueios entre o coração e os vasos adjacentes. Podemos dizer então que a prolina diminui a pressão acumulada por esses bloqueios, diminuindo riscos de possíveis doenças relacionadas ao seu coração.

Pele saudável

A pele é o maior órgão do corpo e também é a primeira defesa imunológica contra a infecção. A hidroxiprolina produz colágeno, um importante componente do tecido da pele. A pele jovem tende a ser mais elástica e mais espessa, enquanto a pele envelhecida é fina e menos fibrosa, à medida que a quantidade de colágeno diminui e altera os elementos elásticos. O processo de envelhecimento, além da exposição ao sol e dos danos causados ​​pelos radicais livres, resulta em uma pele mais velha, enrugada e menos lisa. A prolina aumenta a produção de colágeno e evita sua perda. Também melhora a textura da pele e estimula a formação de novas células.

Reparo de tecidos

A produção de prolina aumenta durante os períodos de traumatismo de tecidos moles, lesões e cicatrização de feridas, como recuperação de músculos ou tendões, queimaduras graves e após cirurgia. A prolina é um composto importante em curativos médicos que usam fragmentos de colágeno para estimular a cicatrização de feridas. A falta de prolina no organismo pode ser responsável por estirpes ou lágrimas em tecidos moles e cicatrização mais lenta do que o normal. Portanto, após uma lesão dos tecidos moles, você pode querer suplementar a prolina para promover a produção adequada de colágeno e cicatrização de feridas suficiente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *