sucralose

Sucralose: o que é ? faz mal ? 1

Comercializada nos Estados Unidos com o nome de Splenda, a sucralose foi aprovada para fabricantes de alimentos para uso como “adoçante não nutritivo” pela Food and Drug Administration (FDA) em 1999.

No entanto, há rumores de que o adoçante artificial foi descoberto em um laboratório por cientistas que estavam tentando criar um novo pesticida. Em vez disso, eles tropeçaram em uma alternativa de açúcar químico que é agressivamente comercializada como uma opção que tem gosto de açúcar sem doces, mas com riscos inerentes.

Se você estiver analisando os ingredientes do seu pacote de biscoitos recentemente, provavelmente encontrará a palavra sucralose. Então, é um pesticida ou uma alternativa de açúcar viável? E, mais importante, é seguro comer algo com sucralose? Aqui está uma olhada no que os especialistas dizem sobre os efeitos colaterais da Sucralose e se a Sucralose é segura.

Sucralose: o que é

sucralose formula
sucralose formula

Sucralose pode ser definido simplesmente como um adoçante artificial, de modo que muitas pessoas se utilizam desse produto buscando evitar o açúcar, mas sem perder o gosto que ele proporciona. Por que? Entenda abaixo.

A descrição oficial de Suclarose explica que “essa mudança torna a molécula de sucralose muito mais doce que o açúcar, mas sem nenhuma das calorias”. Em outras palavras, a sucralose torna as coisas doces, mas não carrega quase a quantidade de nutrição (ou calorias) de adoçantes mais tradicionais.

Hoje em dia, o substituto do açúcar pode ser encontrado em tudo, desde refrigerantes a produtos assados ​​e guloseimas congeladas, e porque é estável ao calor – o que significa que permanece doce mesmo quando levado a altas temperaturas – a sucralose também é usada na culinária caseira. Na verdade, ele é vendido sozinho na maioria dos supermercados para uso por cozinheiros domésticos.

E quando se trata de bebidas e guloseimas, a sucralose oferece um grande sucesso para o seu dinheiro. É 600 vezes mais doce que o açúcar tradicional, mas contém apenas uma pequena porcentagem das calorias que o açúcar faz, diz Sandra Arevalo, diretora de serviços de nutrição e assistência comunitária do South Bronx Health Center, em Nova York.

O anti-açúcar

Embora seja apelidado de adoçante “de baixa caloria” ou “artificial”, o nome sucralose pode ser confuso. Se você estudou francês no ensino médio, talvez saiba que a palavra francesa para o açúcar é sucinta – o que soa muito como a raiz da palavra em sucralose. E talvez você se lembre do slogan original (e há muito abandonado) do Splenda, “Feito de açúcar para ter gosto de açúcar”?

Então sucralose é apenas uma versão “envenenada” de açúcar, certo? Não exatamente. A grande diferença entre sucralose – ou qualquer adoçante artificial – e açúcar é o valor nutricional. Açúcar é conhecido como adoçante nutritivo porque tem calorias e carboidratos. Uma colher de chá de açúcar, por exemplo, tem cerca de 16 calorias e 4 gramas de carboidratos. Um pacote típico de sucralose contém apenas 1 grama de carboidratos e pouca ou nenhuma caloria, tornando-a um adoçante não nutritivo.

A importância dos números e o fascínio da sucralose torna-se extremamente aparente quando você analisa quanto açúcar você está realmente consumindo todos os dias. Você não precisa despejar colheradas do produto branco granulado em seu café ou polvilhar no seu cereal pela manhã para ingerir mais açúcar do que deveria. De fato, os açúcares estão em quase tudo que comemos, do molho de macarrão ao pão.

É por isso que as diretrizes alimentares de 2015-2020 do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA e do Departamento de Agricultura dos EUA se concentram não apenas no consumo de “açúcar”, mas no “açúcar adicionado” em nossas dietas. As diretrizes recomendam consumir menos de 10% de calorias por dia a partir de açúcares adicionados.

Por exemplo, um adulto que consome 1.800 calorias diárias não deve ingerir mais de 180 dessas calorias provenientes de açúcares adicionados, o que significa não mais do que 11 colheres de chá por dia. Mas essas calorias aumentam rapidamente. Uma porção de 12 onças de refrigerante normal (e não de dieta) embala entre 10 e 13 colheres de chá.

E se você olhar para outras diretrizes, a situação parece ainda mais sombria. A American Heart Association recomenda que as mulheres consumam menos de 6 colheres de chá ou 100 calorias de açúcares adicionados por dia.

São diretrizes como essas que tornaram a sucralose (e outros adoçantes) cada vez mais populares, juntamente com uma crescente conscientização de que consumir muito açúcar tem sido associado a tudo, desde um risco aumentado de doença cardíaca até demência.

Em uma pesquisa realizada em 2016, mais da metade dos americanos admitiu que estão preocupados com a forma como o açúcar que comem está afetando suas cinturas e 42% disseram se sentir mais culpados por comer açúcar do que carboidratos ou gorduras. Um em cada dez americanos disseram que se despediram completamente do açúcar.

Se você deseja se juntar às fileiras dos sem açúcar, a sucralose pode ser uma opção, embora seja aconselhável conversar com seu médico ou nutricionista antes de optar por fazer uma mudança drástica na dieta.

Cerca de 90% dos carboidratos que ingerimos são convertidos pelo corpo em glicose no sangue, o que dá energia ao corpo. Nossa glicose no sangue sobe em resposta à quantidade e tipo de carboidratos que tomamos. Enquanto o corpo tem que trabalhar para processar os açúcares tradicionais devido a essas calorias e carboidratos, a sucralose é passada pelo corpo sem se alterar, deixando sem fornecer energia ao corpo.

Colocando adoçantes artificiais no lugar do açúcar, você não apenas diminui sua ingestão calórica, mas também pode minimizar os picos de glicose no sangue. Isso é especialmente importante para alguém com diabetes que está tentando manter seu nível de glicose nivelado, e também pode ajudar dieters, especialmente porque os surtos de glicose estão ligados a sentimentos de fome.

Se a sua glicose aumenta, o mesmo acontece com o que você precisa comer, explica Arevalo, o que pode tornar a dieta mais difícil. Por outro lado, os especialistas são rápidos em alertar que trocar açúcar por sucralose não é uma panaceia.

Sucralose faz mal?

A discussão sobre os possíveis benefícios e malefícios da sucralose em algumas oportunidades são um pouco polêmicos. Existem defensores para os dois lados da moeda, mas deve-se ter muito cuidado para analisar todas as vertentes envolvidas.

Quem diz que sucralose faz mal, por exemplo se baseia no fato de que a maioria dos estudos realizados a partir desse produto para comprovar suas ações no organismo foram feitos em animais roedores em situações controladas. São mais de cem pesquisas desse tipo, enquanto apenas duas foram desenvolvidas com humanos.

O fato de que todos esses estudos e pesquisas não estejam baseados em seres humanos que utilizam esse adoçante diariamente causa muita dúvida na comunidade científica. Além do mais, certos resultados ainda causam algumas controvérsias, principalmente quando levamos em conta que a sucralose caiu no gosto de parte da população e é usado com uma frequência considerável.

Esses estudos mencionados, ao tentar descobrir quais seriam possíveis efeitos colaterais causados pelo uso de sucralose, tiveram como base apenas o fato da ingestão desse adoçante por um curto período de tempo. Desse modo, se alguém adotar a sucralose em definitivo para sua dieta por muitos e muitos anos, não sabemos ainda qual efeito poderia acontecer. É um cenário ainda obscuro nessa vertente, mas também existem algumas justificativas para derrubar esse dizer popular de que a sucralose faz mal.

Primeiramente, ao dizermos que a sucralose é um adoçante artificial, automaticamente já se compreende que não é um produto natural, mas sim produzido em laboratório. Graças a sua origem americana e a seu caráter industrializado, a sucralose precisou passar por centenas de testes e enviar os resultados para a “Food and Drug Administration” (FDA) para que sua comercialização fosse devidamente liberada.

Os pontos abaixo foram as constatações que podemos tirar desses resultados divulgadas pela FDA.

A sucralose é uma substância inerte, o que significa que ela não é absorvida e nem interfere nos processos que nosso metabolismo realiza de forma habitual. Também não se sabe efeitos colaterais que esse adoçante possa proporcionar, além de também não ser tóxica. Além de não interferir no metabolismo em relação aos processos, como mencionado, também não faz isso com o metabolismo dos carboidratos.

Outro ponto importante relacionado à sucralose é o fato de que existem a possibilidade de que seja utilizada por diabéticos. Você já deve imaginar porque: seu consumo, quando pensamos principalmente em curto prazo, não causa alterações nos níveis de glicose e insulina em sua corrente sanguínea.

Esse adoçante chamado sucralose, hoje, está legalizado em mais de oitenta países graças a esses fatores citados acima que não ligam o consumo desse produto a riscos para sua saúde, principalmente quando estamos falando de uma ingestão mais moderada do produto. Caso você queira usar sucralose regularmente, consulte um médico ou nutricionista de sua confiança para se inteirar ainda mais do que pode acontecer, mas hoje não há nenhum indicativo contra isso no momento.

One Comment

Trackbacks and Pingbacks

  1. […] Sucralose é o único tipo de adoçante artificial derivado de moléculas de açúcar reais. Ele é criado substituindo uma parte de uma molécula de açúcar por cloro para criar uma substância que é cerca de 600 vezes mais doce que a sacarose. A Sucralose pode ser usada como substituto do açúcar em quase todos os tipos de alimentos ou bebidas. Este adoçante recebeu pela primeira vez a aprovação do FDA em 1998 para alimentos específicos e, em seguida, novamente em 1999 como um adoçante para todos os fins. A sucralose também difere de outros adoçantes artificiais na medida em que passa pelo sistema digestivo sem ser metabolizada, razão pela qual não contém calorias. […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *